FIT-BH anuncia programação internacional e nacional

A abertura do FIT-BH 2018 será no dia 13 de setembro (quinta-feira), a partir das 19 horas, no Parque Municipal. (Foto Bob Sousa)

Os espetáculos que irão compor a programação do FIT 2018 foram anunciados durante coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, dia 27, no Teatro Francisco Nunes. A 14ª edição do Festival Internacional de Teatro Palco e Rua de Belo Horizonte acontece de 13 a 23 de setembro em diversos espaços da capital mineira. Durante dez dias, o festival vai trazer nove espetáculos internacionais e onze espetáculos de grupos e artistas nacionais.

Presidente da Fundação Municipal de Cultura, Fabíola Moulin destaca o caráter descentralizador do festival. “Essa edição do FIT BH conta com mapeamento territorial da cidade em que teremos espetáculos de palco e rua que irão ocupar outras áreas da cidade, por exemplo, Parque Mariano de Abreu (São Geraldo), Cabana do Pai Tomás, Ocupações Dandara e Vitória, Parque Lagoa do Nada, além de espaços como Centro de Referência da Pessoa Idosa”. A participação da sociedade civil na elaboração do festival também foi destacada por Fabiana. “Para essa edição, lançamos um edital em que selecionamos um parceiro, uma Organização da Sociedade Civil, o Instituto Periférico, que constrói o FIT junto com o poder público. Também lançamos um edital de curadoria. Recebemos quatro bons projetos e um deles foi selecionado a partir de algumas diretrizes como a curadoria colaborativa, com no mínimo três integrantes, que trabalhasse a diversidade e a pluralidade e que se conectasse aos debates contemporâneos”, enfatizou.

Um dos mais importantes festivais internacionais de teatro do país, o FIT-BH, em sua 14ª edição, lança olhar sobre a cena nordestina e as diásporas africanas, com debates estéticos e políticos sobre questões etnicorraciais e de gênero, em trabalhos de performers como Ntando Cele (África do Sul/Suíça), Dorothée Munyaneza (Ruanda/França), Jota Mombaça (Paraíba – BR) e Coco Fusco (Nova Iorque). A cena local terá ainda oito produções selecionadas por uma comissão convidada. Os ingressos serão vendidos pelo site do evento.

A uradora Soraya Martins pontua que o FIT 2018 traz o conceito Corpos-Dialetos que traduz a noção do teatro como língua no mundo. “Se pensarmos que dialetos são variedades linguísticas, marcadas pela diferença e desvalorizadas no sistema formal, trazemos o dialeto na perspectiva positiva, na capacidade de comunicar singularidades”. Soraia destaca que essa curadoria se interessa por espetáculos e produções diferenciadas. “Buscamos espetáculos que respondam esteticamente a questões sociais brasileiras para ampliarmos a noção de teatro brasileiro, que vai na contramão de um olhar eurocentrado. Pensamos em produções que trazem olhares e narrativas não hegemônicas, na possibilidade de trazer ‘histórias que não são contadas pelas narrativas hegemônicas”, comentou.

Participaram da coletiva, a presidente da Fundação Municipal de Cultura, Fabíola Moulin, a presidente do Instituto Periférico, Gabriela Santoro e as curadoras Grace Passô, Luciana Romagnolli e Soraya Martins.

A abertura do FIT-BH 2018 será no dia 13 de setembro (quinta-feira), a partir das 19 horas, no Parque Municipal, com apresentação dos espetáculos “Batucada” (PI), em versão para espaço público, concebida pelo prestigiado coreógrafo piauiense Marcelo Evelin; e “Looping: Bahia Overdub” (BA), idealizado pelos artistas baianos Felipe de Assis, Leonardo França e Rita Aquino. Os dois trabalhos vão envolver cerca de 200 pessoas de Belo Horizonte, artistas ou não, e serão construídos a partir de residências realizadas em período anterior ao festival.

Alinhados com o conceito do festival, nesta edição, os trabalhos nacionais e internacionais trazem propostas que refletem como as identidades marcam nossas vivências estéticas e políticas, dialogam com a realidade do país e repensam criticamente os processos de colonização. Solos como os deDorothée Munyaneza, Alesandra Seutin e Ntando Cele misturam linguagens do teatro, dança e música para reelaborar narrativas históricas oficiais a partir das experiências de corpos ainda em diáspora. Artistas portugueses também criticam seu passado colonial em “Libertação” e Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas” (Portugal). E o potiguar “A Invenção do Nordeste” (RN) e o paulista “Isto É um Negro?” questionam a construção de identidades geográficas e étnico-raciais redutoras.

Da cena nacional serão apresentados os trabalhos: “A Gente Combinamos de Não Morrer” (PB), “A Invenção do Nordeste” (RN), “Assembleia Comum” (MG), “Batucada” (PI), “Chapeuzinho Vermelho” (RS), “Do Repente” (TO), “Isto é um Negro?” (SP), “Looping” (BA), “Merci beaucoup, blanco!” (BA), “Quaseilhas” (BA), incluindo dois trabalhos de Belo Horizonte – “Assembleia Comum” e a performance “Chorar os Filhos”, de Nina Caetano. Já na internacional, serão apresentados os espetáculos “Arde brillante en los bosques de la noche” (Argentina), “Black Off (África do Sul/Suíça), “Ceci N’est Pas Noire” (Inglaterra/Bélgica/Zimbabue), “Donde Viven los Barbaros” (Chile), “Eve” (Escócia), “Libertação” (Portugal), “Simón, el Topo” (Peru), “Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas” (Portugal) e “Unwanted” (Ruanda/França).

Para a Mostra Local do festival serão escolhidos ao menos 8 espetáculos da capital mineira e Minas Gerais que contaram com processo de seleção por meio de regulamento, totalizando o recorde de 178 inscrições.

Projetos Especiais

A 14ª edição do FIT-BH promoverá diversas ações de formação, reflexão e intercâmbio. Serão realizadas oficinas com companhias que se apresentam no evento, residências artísticas, workshop, debates pós-espetáculo e produção de críticas. Além disso, será promovido um evento de capacitação de negócios com o intuito de potencializar a visibilidade e circulação da produção cênica da capital mineira – o CENABELORIZONTE.

Este ano também será realizado o Memória FIT, um conjunto de exposições que recordam espetáculos locais que fizeram parte da história do Festival. Em cada uma das exposições, serão apresentados objetos, figurinos, cenários e registros que procuram resgatar no espectador a memória de cenas e momentos vivenciados na trajetória do FIT, contando com o envolvimento de diversas companhias da cidade.

FIT-BH 2018

Desde a sua criação em 1994, o FIT-BH conquistou espaço no calendário cultural de Belo Horizonte. Durante 24 anos e 13 edições, o festival recebeu companhias e artistas de 42 países e ofereceu ao público belo-horizontino 365 espetáculos com linguagens e formatos diferentes, que ocuparam diversos teatros, espaços públicos e alternativos da capital. Desse total, 115 obras foram apresentadas por grupos e coletivos de Minas Gerais. A edição de 2018 será realizada com o valor total de cerca de 3,4 milhões de reais, semelhante ao realizado na edição de 2016, que totalizou 3,6 milhões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here