Prefeitura executa obras de redução de riscos de inundação

Durante todo o ano, a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (SMOBI) trabalha na identificação e no planejamento de obras prioritárias para as nove regionais da cidade e em busca de recursos junto aos órgãos de financiamentos. Entre essas prioridades, estão os empreendimentos importantes para redução dos riscos de inundações.

As obras de prevenção de enchentes com a construção de duas bacias nos córregos Túnel/Camarões, no bairro Tirol, região do Barreiro, e também a retomada, nessa gestão, das obras de implantação da bacia de detenção dos Córregos São Francisco/Assis das Chagas, na Vila Indaiá, na Regional Pampulha, são exemplos do esforço da Prefeitura de Belo Horizonte na prevenção de enchentes e na proteção da população contra os riscos de desastres durante o período chuvoso.

As obras de prevenção de enchentes nas Bacias Túnel/Camarões, no bairro Tirol, regional do Barreiro, foram retomadas em abril deste ano, pela Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap).

Estão sendo implantadas duas barragens de detenção de cheias (B1 e B2), sendo que uma delas será para conter resíduos sólidos (lixo) e a outra para regular a vazão das águas pluviais. Além disso, será feita a canalização do córrego Camarões, uma avenida Sanitária toda pavimentada e remanejamento de interceptores de esgotos.

A obra possui 2,5 km de extensão, sendo executada numa área de aproximadamente 8 km². Estão sendo investidos R$ 135 milhões com recursos provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal. Sendo que deste valor 91 milhões são investidos em obras e o restante, (44 milhões) em projetos, consultoria, desapropriações e indenizações. A previsão de término dos trabalhos é para o final do primeiro semestre de 2019.

Em andamento

Atualmente as atividades estão concentradas entre as ruas José Nilton Monteiro e José Pedro Silva, com a construção da chamada bacia B1, capaz de receber cerca de 300 milhões de litros d`água. No local também estão sendo feitas a escavação mecânica de terra e transporte do material, execução de corta-rio para desvio do córrego, demolição de casas remanescentes, além da complementação do interceptor de esgoto.

Já foi concluída a chamada bacia B2, localizada entre as ruas Francisco Jonas Santana e José Nilton Monteiro. No trecho entre a rua José Pedro Silva e avenida Fabiano Taylor já estão concluídas as galerias em concreto armado e o pontilhão também em concreto armado. A bacia B2 vai comportar aproximadamente 100 milhões de litros de água. Falta executar, à jusante da avenida Fabiano Taylor (abaixo da ponte), um fundo do canal de 300 metros que servirá para diminuir a vazão da água pluvial.

O trecho de urbanização da avenida Sanitária está entrando na reta final. Este empreendimento é importante para reduzir os problemas de inundações na bacia do Arrudas e melhorar as condições sanitárias, proporcionando mais qualidade de vida à população da região do Barreiro.

Em outubro de 2017, a primeira das bacias executadas já apresentou funcionalidade, retendo volumes significativos de água no período chuvoso. A segunda bacia prevista no local está quase toda pronta e também apresentará funcionalidade já neste período chuvoso.

Atualmente, outras seis obras importantes estão em licitação e, juntas, possuem um investimento total de aproximadamente R$ 152 milhões.

Na região de Venda Nova, está em licitação o tratamento de fundo de vale e controle de cheias na bacia do córrego do Nado – sub-bacia do córrego Lareira e sub-bacia do Córrego Marimbondo. Na região Nordeste, estão em licitação, obras de otimização do Sistema de Macrodrenagem da Bacia do Ribeirão do Onça. Para o bairro das Indústrias, na região do Barreiro, há canalização em gabião 350 metros ao longo do leito do Ribeirão do Arrudas, paralelo à avenida Tereza Cristina. Ainda no Barreiro, há três licitações diferentes com diversas ações para a bacia do Córrego Bonsucesso, entre elas o tratamento de fundo de vale da sub-bacia do córrego da rua Marselhesa e seu entorno e melhorias do sistema viário.

Outras ações

Além dos grandes empreendimentos, fundamentais na redução de riscos de inundações durante o período chuvoso, intervenções de pequeno porte também contribuem com o trabalho preventivo. Durante todos os meses do ano, as Gerências de Infraestrutura Urbana (Gerubs), localizadas nas nove regionais, são responsáveis pelas obras de pequeno porte essenciais tanto para esse período chuvoso quanto para a boa manutenção da cidade. Esses trabalhos são necessários para evitar que pavimento asfáltico seja destruído com chuvas fortes, que haja deslizamentos de encostas ou que os bueiros transbordem, por exemplo.

Segundo o secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão, esses serviços possuem valores mais modestos, mas são essenciais para a cidade. “Exceto a desobstrução de redes e a limpeza de bueiros que são feitas em toda cidade, os trabalhos de pequeno porte são intensificados nas áreas mais carentes e melhoraram a qualidade de vida dos moradores dessas regiões”, diz Valadão.

Mais de 20 obras de reforço de contenção e estabilização em córregos para evitar os deslizamentos e solapamentos das margens foram executadas. Esse tipo de intervenção foi realizada nos córregos da rua Campo Grande, no bairro Araguaia (região do Barreiro), rua Demergina Maria de Jesus, no bairro Jonas Veiga (região Leste), e nos córregos que passam pelas avenidas Bacuraus, Catulo Paixão Cearense e República.

Também foram feitas mais de 40 obras de melhorias no sistema de microdrenagem em diversos pontos, com a construção de bocas-de-lobo e de sarjeta e, ainda, a desobstrução de bocas-de-lobo já existentes, além de hidrojateamento nos principais corredores e manchas de inundação da cidade. Essas intervenções melhoram a fluidez e o escoamento de água das chuvas e evitam o transbordamento.

Outra ação importante é o cuidado com as árvores. Este ano a Prefeitura duplicou o volume de supressões e podas realizadas. De janeiro a agosto foram realizadas 5.566 supressões e 28.310 podas em todas nove regionais. Neste ano, o investimento previsto nesses serviços é de a aproximadamente R$ 8 milhões, quase três vezes do que foi gasto em 2016.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here